Imposto de renda: tudo o que você precisa saber para fazer a declaração em 2024

 Neste artigo, entenda mais sobre o imposto de renda e confira as informações importantes para fazer a declaração do tributo em 2024.

O período para a declaração do imposto de renda de 2024 está próximo. Nesse momento, é importante entender como funciona o processo e conhecer as principais informações sobre os prazos e as possíveis deduções.

Para ajudar nisso, a Machado Correspondente reuniu as principais informações em um artigo informativo. Continue lendo para conferir.

O que é o imposto de renda?

O imposto de renda é uma tributação federal cobrada anualmente de pessoas físicas ou jurídicas. O valor do imposto é definido pelo ganho anual do cidadão ou da empresa, sendo uma porcentagem do valor total. Ou seja, é cobrado uma taxa maior para aqueles com renda mais elevada.

Vale ressaltar que a taxa funciona de forma diferente para o Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF) e o Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ). No primeiro caso, o tributo é cobrado de contribuintes que moram no Brasil ou que moram fora mas recebem renda de empresas brasileiras.

Já no IRPJ, a alíquota é de 15% sobre o lucro presumido, real ou arbitrado da empresa. Um adicional de 10% em cima da parcela do lucro pode ser possível, se o mesmo passar de R$ 20 mil por mês.

Em 2024, é obrigado a declarar o imposto de renda aqueles que:

  • Obtiveram rendimentos tributáveis acima de R$ 30.639,90;
  • Receberam rendimentos não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte acima de R$ 200 mil;
  • Obtiveram receita bruta anual decorrente de atividade rural em valor acima de R$ 153.199,50;
  • Pretende compensar prejuízos da atividade rural deste ou de anos anteriores com as receitas deste ou de anos futuros;
  • Tiveram a posse ou a propriedade, até 31 de dezembro de 2023, de bens ou direitos, inclusive terra nua, acima de R$ 800 mil;
  • Realizaram operações em bolsa de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas;
  • Obtiveram ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto;
  • Optaram pela isenção de imposto sobre o ganho de capital na venda de imóveis residenciais, seguido de aquisição de outro, no prazo de 180 dias;
  • Passaram à condição de residente no Brasil, em qualquer mês de 2023, e se encontrava nessa condição em 31 de dezembro de 2023.

Os casos de isenção ao imposto, autorizados pela Receita Federal, incluem:

  • Pessoas com rendimentos de até R$ 2.824, valor correspondente a dois salários mínimos;
  • Pessoas com doenças graves (AIDS, cegueira, Doença de Parkinson, tuberculose ativa, paralisia incapacitante, entre outras) nos ganhos referentes a rendimentos de aposentadoria ou pensão;
  • Pessoas com 65 anos ou mais, que recebem até R$ 3.807,96 de aposentadoria ou pensão;
  • Organizações filantrópicas, recreativas, culturais e científicas.

Como é o processo de declaração do imposto de renda?

O IRPF e o IRPJ são declarados de maneiras um pouco diferentes. Abaixo, confira como é feito o processo em ambos os casos.

Imposto de Renda de Pessoa Física

Aqueles que precisam declarar o IRPF podem fazê-lo pelo portal e-CAC, pelo aplicativo Meu Imposto de Renda ou pelo Programa Gerador de Declaração (PGD).

Nos três casos, é necessário o preenchimento manual dos dados solicitados a partir da Declaração de Ajuste Anual (DIRPF) ou da declaração pré-preenchida com dados atuais recebidos pela Receita Federal.

Uma vez que os dados são enviados, serão avaliados pela Receita Federal.

Imposto de Renda de Pessoa Jurídica

O processo de declaração do IRPJ é feito da seguinte forma:

  • Acesse o site da Receita Federal;
  • Baixe e instale o programa Gerador da Declaração;
  • Faça o login utilizando os seus dados cadastrados;
  • Preencha todas as informações solicitadas com todos os detalhes dos gastos da sua empresa e o lucro obtido durante o período de apuração;
  • Transmita a declaração utilizando o programa Receitanet.

Vale ressaltar que a declaração do IRPJ é mais complicada que a do que IRPF. Por isso, o mais aconselhado é contratar um contador que garanta o preenchimento correto e o pagamento dos impostos necessários. Essa é a forma mais eficaz de fazer tudo da forma correta e evitar que a empresa caia na malha fina.

Financiamento imobiliário: entenda como funciona a conquista da casa própria

Neste artigo, confira todas as informações sobre o financiamento imobiliário, saiba como funciona o processo e descubra como adquirir o seu imóvel.

O financiamento imobiliário é o que torna a compra de imóveis mais acessível para muitas pessoas. Isso porque essa modalidade permite que o custo do imóvel seja dividido ao longo de vários anos.

No entanto, é fundamental entender todos os termos e as condições do contrato de empréstimo, incluindo a taxa de juros, o prazo, os pagamentos mensais e as consequências de não cumprir com os pagamentos.

Para ajudá-lo a compreender tudo sobre esse assunto, preparamos um artigo com as principais informações sobre o financiamento imobiliário. Leia abaixo!

O que é o financiamento imobiliário?

O financiamento imobiliário é um tipo de empréstimo concedido por instituições financeiras com o propósito de ajudar os indivíduos a comprar imóveis. Isso permite que as pessoas adquiram propriedades, mesmo sem o valor total disponível em dinheiro.

O mutuário (pessoa que deseja comprar a propriedade) é quem solicita o empréstimo ao banco. O objetivo é que o valor cubra parte do valor do imóvel, que serve como garantia do negócio. Ou seja, caso os pagamentos não sejam cumpridos, o banco pode tomar posse da propriedade.

Os empréstimos imobiliários têm um prazo definido, que pode variar de 15 a 30 anos. O mutuário escolhe o prazo do empréstimo no momento da contratação.

Como funciona o financiamento imobiliário?

Abaixo, confira as principais fases do financiamento imobiliário e entenda quais são os passos para conquistar o sonho da casa própria.

Escolha da propriedade

Primeiramente, você precisa encontrar a propriedade que deseja comprar. Isso envolve procurar imóveis disponíveis, comparar preços, localizações e determinar um valor de orçamento.

Pré-aprovação do financiamento

Antes de iniciar o processo de financiamento, é aconselhável obter uma pré-aprovação com um banco ou uma instituição financeira. Isso ajuda a determinar quanto você pode gastar com base na sua situação financeira.

A escolha do banco ou da instituição financeira

Você pode solicitar o financiamento em bancos, cooperativas de crédito ou outras instituições financeiras. Compare as taxas de juros, os termos e as condições de diferentes credores para encontrar a melhor opção para suas necessidades.

Clique aqui para conhecer a linha de financiamento da CAIXA.

Aplicação e documentação

Depois de escolher o credor, você precisa preencher um pedido e fornecer documentos financeiros, como comprovantes de renda, histórico de crédito e informações sobre o imóvel que está comprando.

Avaliação do imóvel

Para liberar o financiamento, a prefeitura da cidade geralmente realiza uma avaliação do imóvel para determinar seu valor. Isso ajuda a garantir que o valor do financiamento não seja maior do que o valor do imóvel.

Aprovação do empréstimo

Após a análise de sua aplicação e a avaliação do imóvel, o banco tomará uma decisão sobre a aprovação do empréstimo hipotecário. Se aprovado, você receberá uma oferta de financiamento com os termos e as condições.

Pagamento inicial

Geralmente, você precisará fazer um pagamento inicial, que é uma porcentagem do preço do imóvel. O valor exato pode variar, mas é comum que seja de 20% do preço total. Quanto maior for o pagamento inicial, menor será o valor do empréstimo e as mensalidades.

Assinatura do contrato

Uma vez aprovado e o pagamento inicial for feito, você assinará o contrato do financiamento, comprometendo-se a fazer os pagamentos mensais de acordo com os termos estabelecidos.

Pagamentos mensais

Você fará pagamentos mensais ao banco de acordo com o cronograma de amortização acordado. Esses pagamentos consistem em juros e principal, e as parcelas vão variar conforme o sistema de amortização escolhido.

Registro do imóvel

O banco geralmente terá uma garantia sobre o imóvel até que você pague o financiamento integralmente. Após a quitação, o imóvel será registrado em seu nome.

 

A Machado Correspondente é o segredo para um financiamento imobiliário sem burocracia. Nós entramos em contato com a instituição financeira e ajudamos durante todo o processo, com parcelas de pagamento menores que de um aluguel. Clique aqui para falar conosco!